3 POEMAS INÉDITOS DE LÚCIO HUMBERTO SARETTA

Uma aranha se esconde entre os meus livros

Uma aranha se esconde entre os meus livros
E vez por outra aparece atrás da estante
Como um sol de raios negros exibindo
Sua aparência monstruosa e fascinante

E quando penso em me livrar da criatura
Acabo preso em uma dúvida cruel
A força bruta arruinaria os meus volumes
Inseticida mancharia o seu papel

Com olhos mórbidos, estrábicos e pacientes
A invencível guardiã da biblioteca
Vai tecendo a sua teia entre as palavras
Enquanto o Tempo está tirando uma soneca

Tanta coisa nessa vida eu aprendi
E no fundo só restou uma certeza
Nada sei sobre a tal filosofia
Que habita os livros e a natureza

Uma aranha se esconde entre os meus livros
E nas sombras vai fazendo a sua mágica
Apagando as lembranças do meu ser
Arrastando o seu corpo sobre as páginas

O sapo

Quando a mansidão da noite
Se esparramou sobre o jardim
Junto ao rumor da fonte
E a fragrância do jasmim

Um grilo afoito cricrilava
Escondido na penumbra
Enfeitando o silêncio
Depois de uma forte chuva

Subitamente eu percebi
Como se fosse uma pedra
Impassível sobre a grama
Junto às flores e à hedra

A figura de um sapo
Fascinante e serena
Exibindo lustro papo
Sob a luz da lua cheia

Que surgia entre as nuvens
Com seus raios amarelos
Enquanto o sapo vigiava
O jardim pequeno e belo

Não chamava atenção
A estranha criatura
Encostada no anão
Que sorria com ternura

Esculpido no cimento
Com sua touca escarlate
E a roupa bem cosida
Por um hábil alfaiate

Enquanto isso o pobre sapo
Tinha ares de feiura
Com o seu pescoço chato
E a sua pele dura

Assim mesmo era caro
O sapo do meu jardim
Pois o seu olhar bizarro
Dizia coisas sobre mim

Sendo tão sozinho o sapo
E desprovido de beleza
Nele eu encontrei de fato
Um amigo na tristeza

Por enquanto

Por enquanto
Que ainda tenho sonhos
E pernas que conduzem
Esse meu andar tristonho

Por enquanto
Que ainda tenho planos
E o lápis que desenha
Esses meus versos insanos

Vou seguindo
Na espera do momento
Em que eu veja uma saída
Para a mágoa que está dentro

De mim mesmo
Com a débil esperança
De encontrar em qualquer canto
Minha aura de criança

Outra vez
E brincar nas águas calmas
De um lago azulado
Nos verões do meu passado, mas

Por enquanto
Que o sucesso não existe
Ando só pela calçada
Da cidade fria e triste

Contemplando
Velhos plátanos e prédios
Mergulhado nas lonjuras
De um inabalável tédio

Que perfura
Minha alma e no entanto
Sigo alegre e paciente
Por enquanto

Lúcio Humberto Saretta é autor de O louco no espelho e Lições da barbearia, entre outros livros de narrativas curtas. Integrou a antologia Não Culpe o Narrador e Tudo soma zero: histórias de outros futuros. É bibliotecário e escreve para o site Olá Serra Gaúcha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s