DE ‘FLOR DE UDUMBARA’, DE SANDRA SANTOS

A Arte de Cultivar Girassóis

Van Gogh colhe agora
quinze girassóis em Arles
porque um xamã das Américas
tem febre e flores na cabeça
uma flor se levanta às 6:15 da manhã para compor
um arranjo
quinze capítulos de
girassóis amarelos
onde contemplo a luz
dos teus olhos

Girasol t’ikakuna tarpuyta yachaq

Van Gogh phesqa chunka girasol t’ikakunata
ojarin qhunan Arles llaqtapi
imanaqtinchus huj hampiqpa uman
t’ikakunawan t’eqesqa rupharin
huj t’ika hatarin 6:15 paqarimuypi huk takita
qhelqananpaq
phisqa chunka t’akaquna
q’ello girasol t’iqakunamanta
maypichus qhawarini ñawiykiq
q’anchayñinta

O Homem do Futuro

quero o homem do futuro
que pisava com pés de santo
e sandálias de pescador
que contava estrelas de anis
e esculpia cristais de sal
que matava a gente de rir
com seu bodoque de flor
quero o homem do futuro
que desenhava arrepios
com caneta dermográfica
que escrevia garatujas
e as soltava na vidraça
que tocava com canções
e beijava o céu na boca
quero o homem do futuro
que só de chegada era porto
que despia anáguas
com olhos de “peixe morto”
quero o homem que ficou
e acordoou um banjo no sul
com a linha da pandorga azul

Ñaupa pachamanta runa

ñawpap pachamanata runata munani
santoq chakinwan saruq
challwa-hapiq runa usutanwan ima
anismanta ch’askakunata yupaq
kachimanta qhespekunata ruwaq
runakunata sipiq asichispa
t’ikamanta waranq’anwan
ñaupap pachamanta runata munani
chhiri hump’ikunata qhelqaq
aycha patapi
seq’ekunata qhelqaq
ventanamantaq kachaypuq
takikunawan tukaq
simipitaq hanaqpachata muchaq
ñaupap pachamanta runata munani
chiyaramuspa pacha puerto kaq
inawakunata ch’utiq
wañusqa challwa ñawiwan qhawaspa
munani chay puchuq runata
banjo tuqanatataq wataran uray laruman
huj anqas qoyllur chupayuq chupanwan

O Calígrafo, o Flautista e o Poeta

prender o ar
no silêncio entre as palavras
conceber a arte
neste vazio
visual e auditivo
pausa
uma respiração nova extraída
de cada fibra
dureza e suavidade
sopesadas
e a mão
está pronta
para o desenho melódico da letra

qhelqaq, kkhéna, harawiku ima

yachay wayrata ch’in patapi
simikuna kusqanpi
sllin ruwayta yachay
kay ch’impi
qhawarinapi uyarinapi ima
samay
huj musoq samay orqhosqa
sapa fibramanta
qaqa hinallataq llamp’u
allin llaminchasqa
maquirí
yastaña kashan
qhelqanapaq ha
rawisqa seq’ekunata

Sandra Santos é artista plástica e poeta. Coordenadora e mantenedora do Espaço Cultural Castelinho do Alto da Bronze e idealizadora do Projeto de Incentivo à Leitura Instante Estante. Poemas do livro Flor de Udumbara, publicado no Peru, em 2016, por Hanan Harawi Editores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s