‘CLANDESTINIDADES’, DE MARCOS MANTOVANI

Por Lúcio Humberto Saretta

A princípio, o título do romance Clandestinidades (Ed. Virtua, 2020), de Marcos Mantovani, soa como um neologismo. Na verdade, a palavra é apenas o plural de um substantivo feminino existente, embora seja também um claro sinal da originalidade estilística do autor.

De fato, Mantovani mostra competência para construir e conduzir a narrativa do romance, que tem como pano de fundo o desastre aéreo do voo 447 da Air France, ocorrido em 2009. As relações afetivas do personagem Rui, um enfermeiro que vive em Porto Alegre, especialmente aquelas com o seu pai, mas também com seu irmão (uma das vítimas do acidente) e sua namorada, são o aspecto mais latente da obra.  

A melancolia da cidade e das próprias relações afetivas impregnam a alma do personagem, e às vezes certos laços parecem difíceis de serem resgatados, lembrando os corpos afivelados no interior do avião que jaz no fundo do mar. Mas, como bem disse Stephen King, a tarefa da ficção é encontrar a verdade dentro da teia de mentiras da história.  

Nesse sentido, o autor gaúcho desponta como alguém criativo e empenhado em seu ofício.  Clandestinidades foi uma leitura agradável, mas não fácil, que me acompanhou durante o início da pandemia e confinamento.

Leia mais do autor em Sepé.

🛒 Clique e encomende o seu exemplar

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s