3 poemas de Juliana Meira

ainda somos de osso de carne
alguns de alma

e como parte num todo
a vida continua
parece até funcionar

levantamos

nossos mortos por sua vez
nossos mortos apenas eles
descansam

já vou que
a madrugada me ameaça
com outra manhã
com outra cara e humor
e gasta esperança

Juliana Meira vive em Canela/RS. Publicou, entre outros, água dura (Artes & Ecos, 2019), na língua da manhã silêncio e sal (Modelo de Nuvem/Belas Letras, 2017), livro vencedor do Prêmio Minuano de Literatura na categoria Poesia, em 2018. Integra as antologias Blasfêmeas: Mulheres de Palavra (Casa Verde, 2016), Treze Mulheres e Um Verão (Feito no Ato, 2018) e o manifesto Balbúrdia Poética: 80 Tiros (CJA Edições, 2019).

POESIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: