Contos da SEPÉ

A antologia Contos da SEPÉ é uma coedição da Revista Sepé com a Diadorim Editora que reúne 50 contistas publicados ao longo das edições de 2020 e 2021 da publicação. Organizada por Lucio Carvalho, editor da revista, a publicação entra em campanha de financiamento para ser entregue aos leitores em agosto próximo. Procurando espelhar a diversidade literária do Rio Grande do…

Leia mais Contos da SEPÉ

A LITERATURA SUL-RIO-GRANDENSE DE 1976 – 2016: PRODUÇÃO, DISSEMINAÇÃO E CONSUMO

O Instituto Estadual do Livro apresenta aqui “A Literatura Sul-Rio-Grandense de 1976-2016”, obra que preenche uma lacuna significativa nos estudos sobre a literatura no Rio Grande do Sul. A obra delineia um panorama quantitativo e qualitativo de livros e autores publicados nas últimas décadas no estado e analisa os dados resultantes de forma clara e…

Leia mais A LITERATURA SUL-RIO-GRANDENSE DE 1976 – 2016: PRODUÇÃO, DISSEMINAÇÃO E CONSUMO

EU DESAPAREÇO, por Cristiano Fretta

(…)What I’ve feltWhat I’ve knownNever shined through in what I’ve shownNever beNever seeWon’t see what might have been(…)The Unforgiven – Metallica Questão das mais instigantes refere-se à quantidade de vomitados nas paradas de ônibus de Porto Alegre: difícil é vermos uma única parada que não tenha um amontoado de massa triturada e mal digerida na…

Leia mais EU DESAPAREÇO, por Cristiano Fretta

AMARE, por Catia Schmaedecke

Antigamente Porto Alegre era uma cidade murada cujo portão se fechava ao anoitecer para impedir a entrada de possíveis invasores através das águas, e abria-se nas primeiras horas do dia seguinte. Era o que aparentava à primeira vista, quando havia a escassez de chuvas torrenciais e consequentes cheias. Foi ali, às margens do Guaíba, que…

Leia mais AMARE, por Catia Schmaedecke

FUMAÇA, por Giovani Thadeu

Doralina, mais conhecida na vizinhança como Dora, é uma senhora septuagenária, aposentada, viúva, vivem ela e Fumaça no seu pequeno apartamento. Fumaça deve seu nome ao tom cinza do seu pelo e também ao seu comportamento onipresente e irrequieto, Fumaça está aqui, ali, lá e de novo aqui. Dora é uma senhora de baixa estatura,…

Leia mais FUMAÇA, por Giovani Thadeu

CIGANA, por Maximiliano da Rosa

Maristela caminha apressada. São dias de angústia, de procuras vãs, esperas inúteis, o corpo e mente em desalinho, espírito denso demais. Precisa de um emprego, e logo. É nisso que pensa enquanto cruza os caminhos, percorre as ruas apinhadas de gente tosca e macambúzia, o sol demasiado quente sobre sua cabeça, fazendo ferver seu espírito…

Leia mais CIGANA, por Maximiliano da Rosa

EXCALIBUR, por Milene Barazzetti

E passaram-se dias. Quando a luz voltou, depois desse tempo, foi o momento de despertar de Esmeralda. Acordou com as lambidas de seu gato, companheiro de isolamento. No início, com luz e internet funcionando, o isolamento foi saudável. Mas, depois de algumas semanas, alguns sistemas de gerenciamento de dados não conseguiram mais dar conta do…

Leia mais EXCALIBUR, por Milene Barazzetti

LIRISMO, SUBJETIVIDADE E SOCIEDADE: O ENTREGADOR DE PRESSA, DE MARLON DE ALMEIDA, por Marcia Ivana de Lima e Silva

O verso é um doido cantando sozinho.Seu assunto é o caminho. E nada mais!O caminho que ele próprio inventa…Mario Quintana No ensaio “Lírica e sociedade”, Theodor Adorno afirma que o poema é o encontro entre subjetividades, a do poeta e a do leitor, através da linguagem que funciona como um elo entre lírica e sociedade.…

Leia mais LIRISMO, SUBJETIVIDADE E SOCIEDADE: O ENTREGADOR DE PRESSA, DE MARLON DE ALMEIDA, por Marcia Ivana de Lima e Silva

BONEQUINHA DE LIXO, UMA RESENHA BREVE PARA UM LONGA RECOMENDAÇÃO, por Luís Roberto Amabile

“Lucio, tudo bem? Não vai ter as recomendações de leitura, igual teve no ano passado? Nesse ano vamos de edição normal, Luís. Todavia, se quiseres fazer uma resenha breve de algum livro, recebo tb!” * As aspas acima intentam mostrar que pretendo deixar tudo às claras. Nessa linha, preciso dizer que conheço a Helena Terra…

Leia mais BONEQUINHA DE LIXO, UMA RESENHA BREVE PARA UM LONGA RECOMENDAÇÃO, por Luís Roberto Amabile

MEMENTO, por José Francisco Botelho

Em tardes de invernoque o fogo alongavaestalando chamaspra dentro do ocasominha avó contavaa velha lembrançade quando, menina,na noite do rancho,o estrondo de passoscresceu em seu sonhoe a trouxe assustadade volta à vigília. Passos de botas duras,duro tinir de esporas,estalos de rebenques,sussurros de cancelas,contra o silêncio aflitoda noite que aguardavaum grito, uma batida,na estância que dormia,exceto…

Leia mais MEMENTO, por José Francisco Botelho

MARIA GRAZIA NAPPA: ALGUNS POEMAS TRADUZIDOS E UMA ENTREVISTA, por Paulo Damin

Maria Grazia Nappa (Caserta, Itália, 1985) estreou na literatura em 2018, com a publicação de um livro de poemas chamado Le brutture dei cuori scalzi (“As feiuras dos corações descalços”). Em 2019, lançou Nata intera (“Nascida inteira”), também uma coletânea de poesias. Publicou em diversas revistas, como ClanDestino, 900 letterario e La lettura. Organizou com…

Leia mais MARIA GRAZIA NAPPA: ALGUNS POEMAS TRADUZIDOS E UMA ENTREVISTA, por Paulo Damin

3 poemas de Marco de Menezes

pássaro, 1994 depois, bem depoisque meu amigo Luizse jogou do terraço do nosso apartamento,passamos a chamá-lo de homem-pássaroque era uma forma de rirmosde um assunto que não nos deixava mais tristes estava tudo previstoele, ou parte dele,já havia cortado os pulsos uma veze tomado umas pílulas outra vezmas isso a gente não sabiafoi o irmão…

Leia mais 3 poemas de Marco de Menezes

3 poemas de Moema Vilela

Inscrições abertas para cursos de línguas estrangeiras 2028 Gozar, apesar,ao invés e ao revésde tudo. A partir do que for.Como um ás. Saber o gozodisponível, como o arpara a respiração. Desfrutar de todo jeito.Sem embargo e a despeito. Malgrado e não obstante.Independentemente. A conjunção de fatoressabemos bem – e também por isso gozar. Na cara…

Leia mais 3 poemas de Moema Vilela

5 poemas de Jéssica Iancoski

ROLOS DE PAPEL FILME como ybásecando longe do pé dedos esticadospela ganância brancaformam uma linhado polegar ao mundinho movimentos de pinçaroubam a tangerinatentando extraira seiva interina sem que saibamrobôs descascamo firmamento frutos envoltos em etilenoenrolam horizontesem rolos de papel filme UM SÓ LAMENTO PARA O SOTERRAMENTO enquanto cipósse lançam do altodas copasbuscandoa semente pessoastrocam de…

Leia mais 5 poemas de Jéssica Iancoski

3 poemas de Violeta Rivero

feita de cantos livresmesmo nas horas friasum pedaço de pedramedrado de poesialonge de deus e o mundotão perto das aguadasdeleitar de delírioscios de passaradarisos e super novasrosas, mitologiasguia de não sei ondelonge de já ser diamúsica analfabetafeita de letra poucagraves estrelas riemluas e aqualouca Que idade tem a almaDa criança que nasceu? Quantas células se…

Leia mais 3 poemas de Violeta Rivero

De ‘OLD PARR’, de Armando Moura Filho

Noite espichada Noite espichada,Dia que se recusa a chegar.A noite profunda é o meu habitat,Quando ela chega saio para as ruasDesertas, o lixo carregado pelo vento,Que posso ver até onde permite a neblina.Movimento-me por calçadasIrregulares e estreitas. Às vezes,Tropeço. Quase caio.Vejo luzes de bares quebradas pelaDensa bruma,Dentro deles só corações sangrandoDe solidão.Não é real, estou…

Leia mais De ‘OLD PARR’, de Armando Moura Filho

3 poemas de Ines Lempek

Refluxo das horas Havia um fogomornouma sombraocultaatrás das horasidas Um raio indiscretofulminando silênciosdiminuíao hiato No esconderijoa céu abertopalavras aqueciama pele Segredos reveladosa céu noturnona areia movediçauma estrada Olhos entreabertosa maré semeiacorpos renovadosno refluxo das horasidase vindas. Estiagem Entrego esse sorrisodobrado e guardadona caixa de fantasiasque o musgo do invernoesqueceu de cobrir a chuva metálicaacordou o…

Leia mais 3 poemas de Ines Lempek

5 poemas de Thamar de Araújo

Sinto que ficareià deriva.Mas desta veznão cristalizareias tempestades.Transformarei o além-marem marolassuficientementefrágeis,para eu repousar. Enquantoosustonãopassa, enquantoatristezanãocansa, intentarei novos altares.Amanhecerei outras.Carregarei flores,com cores inventadasque ainda nem sei,por lugares inimagináveis,onde escaparei.Anoitecerei eras.Reconhecerei poucas. Decantarei. “Tsunami” in “Memorial de Lilia.” Descobertas insensatas.Pequenos fracassos.Busco pontes movediças, inauguro naufrágiosde centenas de barcos de papelem dias ensolarados. Respiro por entre os cantosde…

Leia mais 5 poemas de Thamar de Araújo

5 poemas de Luize Gomes

Idas e vindas Em intervalos de tempoperco-meperco-me de tal maneira,que chego a sentir o gostode poesia do meu desertoem minha boca Em intervalos de tempoperco-me Quando menos esperosem mais nem porquêvoltovolto de tal maneira,que chego a desdenharde quem sem saída, se foi. Em raros dias de neutralidade internade ser limpo, que não tem pretensão de…

Leia mais 5 poemas de Luize Gomes

De ‘ELVIRA VIRGÍNIA’, de Dani Espíndola

o muro estar no escurocegaem cima do muro fio-de-navalhaque retalharecorta em frangalhosa alma a dor que entalhadúvida megeraque emperraestanca a vidasangra a feridaatrapalha no murogritourroficoa esperar o desequilíbrioque me libertarádesta prisão em linha reta diagnóstico como lhe explicar, doutor,o que sinto? o que não sinto maisé o que me assustaviver em apreensão o fôlego sempre…

Leia mais De ‘ELVIRA VIRGÍNIA’, de Dani Espíndola

5 poemas de Graziela Jacques Prestes

Inquietação Em que clarão me lancei?Tanto espaço entre o calado e o expressoUm universo metaversoDia e mente escrevo parágrafosInteirosMedo e razão apagam tudoQuerem o tempo em negaçãoA segura certeza do grande irmão Poros O amor descoberto em noite de lua cheiadegustado em cálice de vinhoexpande os corposapeia, gaucheque a solidão é vento de areia Jardim…

Leia mais 5 poemas de Graziela Jacques Prestes

5 poemas de Daniel Ricardo Barbosa

As Cinco Irmãs Ausentes estrelas, cruzeiro do sula bússola coração que vagueiaa respiração nítida condensadaacelerada como bater de palmasem espaço de engolir os sonos. Equilibre o que não pesameça a força do tempoescreva peça na escuridão. A cena é a que se repeteas crianças brincam, bolabarcos de papel, chocolateos lábios sujos de ranhomarcados pela terratudo…

Leia mais 5 poemas de Daniel Ricardo Barbosa

De ‘A ÚLTIMA VEZ QUE PENSO EM VOCÊ NESTE SEGUNDO’, de Léo Cruz

dói quando eu encontrofotos nossas no meu celularocorrem dois momentos: surge um ar diferente no ambiente,uma doçura que eu apostoque toma conta da sala inteira,do andar todo, do prédio por completoe eu lembro da gente sendo feliz(afinal, ninguém tira foto de casal triste)e nem penso nos mil motivospara que tenha dado tão errado. depois, as…

Leia mais De ‘A ÚLTIMA VEZ QUE PENSO EM VOCÊ NESTE SEGUNDO’, de Léo Cruz

3 poemas de Iolly Aires

desidentificação convidaram-me a sentar à mesacom a condição de que me alienasse de mimapenas para comer as sobrasao invés de oferenda que alimentasse o meu serpor isso, começo a expelir a bílis da assimilaçãode um desejo alheio ao que me constituide um parâmetro alheio a quem sou. o quanto de mim foi perdidodesacreditado, esvaziado?quem é…

Leia mais 3 poemas de Iolly Aires

De ‘TRAVESSIAS DE AMANAÃ’, de Ana dos Santos, Lilian Rocha, Carmen Lima, Fátima Farias, Taiasmin Ohnmacht e Delma Gonçalves

A cor do negro (Ana dos Santos) A cor do negroé o contraste entre as cores.São multicores negrasentre a mais clara e a mais escura cor.Mas ainda é negroo meu amor!Há pessoas de core há pessoas sem amor…E eu,eu amo quem sou:Negra! Preta-à-porter (Carmen Lima) Pendura a armadurapesada e dura de amargorEspalha, embaralha, realça tua…

Leia mais De ‘TRAVESSIAS DE AMANAÃ’, de Ana dos Santos, Lilian Rocha, Carmen Lima, Fátima Farias, Taiasmin Ohnmacht e Delma Gonçalves