Categoria: POESIA

MEMENTO, por José Francisco Botelho

Em tardes de invernoque o fogo alongavaestalando chamaspra dentro do ocasominha avó contavaa velha lembrançade quando, menina,na noite do rancho,o estrondo de passoscresceu em seu sonhoe a trouxe assustadade volta à vigília. Passos de botas duras,duro tinir de esporas,estalos de rebenques,sussurros de cancelas,contra o silêncio aflitoda noite que aguardavaum grito, uma batida,na estância que dormia,exceto…

Leia mais MEMENTO, por José Francisco Botelho

MARIA GRAZIA NAPPA: ALGUNS POEMAS TRADUZIDOS E UMA ENTREVISTA, por Paulo Damin

Maria Grazia Nappa (Caserta, Itália, 1985) estreou na literatura em 2018, com a publicação de um livro de poemas chamado Le brutture dei cuori scalzi (“As feiuras dos corações descalços”). Em, 2019 lançou Nata intera (“Nascida inteira”), também uma coletânea de poesias. Publicou em diversas revistas, como ClanDestino, 900 letterario e La lettura. Organizou com…

Leia mais MARIA GRAZIA NAPPA: ALGUNS POEMAS TRADUZIDOS E UMA ENTREVISTA, por Paulo Damin

3 poemas de Marco de Menezes

pássaro, 1994 depois, bem depoisque meu amigo Luizse jogou do terraço do nosso apartamento,passamos a chamá-lo de homem-pássaroque era uma forma de rirmosde um assunto que não nos deixava mais tristes estava tudo previstoele, ou parte dele,já havia cortado os pulsos uma veze tomado umas pílulas outra vezmas isso a gente não sabiafoi o irmão…

Leia mais 3 poemas de Marco de Menezes

3 poemas de Moema Vilela

Inscrições abertas para cursos de línguas estrangeiras 2028 Gozar, apesar,ao invés e ao revésde tudo. A partir do que for.Como um ás. Saber o gozodisponível, como o arpara a respiração. Desfrutar de todo jeito.Sem embargo e a despeito. Malgrado e não obstante.Independentemente. A conjunção de fatoressabemos bem – e também por isso gozar. Na cara…

Leia mais 3 poemas de Moema Vilela

5 poemas de Jéssica Iancoski

ROLOS DE PAPEL FILME como ybásecando longe do pé dedos esticadospela ganância brancaformam uma linhado polegar ao mundinho movimentos de pinçaroubam a tangerinatentando extraira seiva interina sem que saibamrobôs descascamo firmamento frutos envoltos em etilenoenrolam horizontesem rolos de papel filme UM SÓ LAMENTO PARA O SOTERRAMENTO enquanto cipósse lançam do altodas copasbuscandoa semente pessoastrocam de…

Leia mais 5 poemas de Jéssica Iancoski

3 poemas de Violeta Rivero

feita de cantos livresmesmo nas horas friasum pedaço de pedramedrado de poesialonge de deus e o mundotão perto das aguadasdeleitar de delírioscios de passaradarisos e super novasrosas, mitologiasguia de não sei ondelonge de já ser diamúsica analfabetafeita de letra poucagraves estrelas riemluas e aqualouca Que idade tem a almaDa criança que nasceu? Quantas células se…

Leia mais 3 poemas de Violeta Rivero

De ‘OLD PARR’, de Armando Moura Filho

Noite espichada Noite espichada,Dia que se recusa a chegar.A noite profunda é o meu habitat,Quando ela chega saio para as ruasDesertas, o lixo carregado pelo vento,Que posso ver até onde permite a neblina.Movimento-me por calçadasIrregulares e estreitas. Às vezes,Tropeço. Quase caio.Vejo luzes de bares quebradas pelaDensa bruma,Dentro deles só corações sangrandoDe solidão.Não é real, estou…

Leia mais De ‘OLD PARR’, de Armando Moura Filho

3 poemas de Ines Lempek

Refluxo das horas Havia um fogomornouma sombraocultaatrás das horasidas Um raio indiscretofulminando silênciosdiminuíao hiato No esconderijoa céu abertopalavras aqueciama pele Segredos reveladosa céu noturnona areia movediçauma estrada Olhos entreabertosa maré semeiacorpos renovadosno refluxo das horasidase vindas. Estiagem Entrego esse sorrisodobrado e guardadona caixa de fantasiasque o musgo do invernoesqueceu de cobrir a chuva metálicaacordou o…

Leia mais 3 poemas de Ines Lempek

5 poemas de Thamar de Araújo

Sinto que ficareià deriva.Mas desta veznão cristalizareias tempestades.Transformarei o além-marem marolassuficientementefrágeis,para eu repousar. Enquantoosustonãopassa, enquantoatristezanãocansa, intentarei novos altares.Amanhecerei outras.Carregarei flores,com cores inventadasque ainda nem sei,por lugares inimagináveis,onde escaparei.Anoitecerei eras.Reconhecerei poucas. Decantarei. “Tsunami” in “Memorial de Lilia.” Descobertas insensatas.Pequenos fracassos.Busco pontes movediças, inauguro naufrágiosde centenas de barcos de papelem dias ensolarados. Respiro por entre os cantosde…

Leia mais 5 poemas de Thamar de Araújo

5 poemas de Luize Gomes

Idas e vindas Em intervalos de tempoperco-meperco-me de tal maneira,que chego a sentir o gostode poesia do meu desertoem minha boca Em intervalos de tempoperco-me Quando menos esperosem mais nem porquêvoltovolto de tal maneira,que chego a desdenharde quem sem saída, se foi. Em raros dias de neutralidade internade ser limpo, que não tem pretensão de…

Leia mais 5 poemas de Luize Gomes

De ‘ELVIRA VIRGÍNIA’, de Dani Espíndola

o muro estar no escurocegaem cima do muro fio-de-navalhaque retalharecorta em frangalhosa alma a dor que entalhadúvida megeraque emperraestanca a vidasangra a feridaatrapalha no murogritourroficoa esperar o desequilíbrioque me libertarádesta prisão em linha reta diagnóstico como lhe explicar, doutor,o que sinto? o que não sinto maisé o que me assustaviver em apreensão o fôlego sempre…

Leia mais De ‘ELVIRA VIRGÍNIA’, de Dani Espíndola

5 poemas de Graziela Jacques Prestes

Inquietação Em que clarão me lancei?Tanto espaço entre o calado e o expressoUm universo metaversoDia e mente escrevo parágrafosInteirosMedo e razão apagam tudoQuerem o tempo em negaçãoA segura certeza do grande irmão Poros O amor descoberto em noite de lua cheiadegustado em cálice de vinhoexpande os corposapeia, gaucheque a solidão é vento de areia Jardim…

Leia mais 5 poemas de Graziela Jacques Prestes

5 poemas de Daniel Ricardo Barbosa

As Cinco Irmãs Ausentes estrelas, cruzeiro do sula bússola coração que vagueiaa respiração nítida condensadaacelerada como bater de palmasem espaço de engolir os sonos. Equilibre o que não pesameça a força do tempoescreva peça na escuridão. A cena é a que se repeteas crianças brincam, bolabarcos de papel, chocolateos lábios sujos de ranhomarcados pela terratudo…

Leia mais 5 poemas de Daniel Ricardo Barbosa

De ‘A ÚLTIMA VEZ QUE PENSO EM VOCÊ NESTE SEGUNDO’, de Léo Cruz

dói quando eu encontrofotos nossas no meu celularocorrem dois momentos: surge um ar diferente no ambiente,uma doçura que eu apostoque toma conta da sala inteira,do andar todo, do prédio por completoe eu lembro da gente sendo feliz(afinal, ninguém tira foto de casal triste)e nem penso nos mil motivospara que tenha dado tão errado. depois, as…

Leia mais De ‘A ÚLTIMA VEZ QUE PENSO EM VOCÊ NESTE SEGUNDO’, de Léo Cruz

3 poemas de Iolly Aires

desidentificação convidaram-me a sentar à mesacom a condição de que me alienasse de mimapenas para comer as sobrasao invés de oferenda que alimentasse o meu serpor isso, começo a expelir a bílis da assimilaçãode um desejo alheio ao que me constituide um parâmetro alheio a quem sou. o quanto de mim foi perdidodesacreditado, esvaziado?quem é…

Leia mais 3 poemas de Iolly Aires

De ‘TRAVESSIAS DE AMANAÃ’, de Ana dos Santos, Lilian Rocha, Carmen Lima, Fátima Farias, Taiasmin Ohnmacht e Delma Gonçalves

A cor do negro (Ana dos Santos) A cor do negroé o contraste entre as cores.São multicores negrasentre a mais clara e a mais escura cor.Mas ainda é negroo meu amor!Há pessoas de core há pessoas sem amor…E eu,eu amo quem sou:Negra! Preta-à-porter (Carmen Lima) Pendura a armadurapesada e dura de amargorEspalha, embaralha, realça tua…

Leia mais De ‘TRAVESSIAS DE AMANAÃ’, de Ana dos Santos, Lilian Rocha, Carmen Lima, Fátima Farias, Taiasmin Ohnmacht e Delma Gonçalves

5 poemas de Mar Becker

Num fio I não importa o que eu diga das tuas mãos só posso amá-las como amopelo que não sei dizer amo tuas mãos ali onde elas calam no silêncio que guardam, intacto como o nomede um pássaro não catalogado II da tua boca não importa o que eu diga amo-a porque me escapa a…

Leia mais 5 poemas de Mar Becker

TESTAMENTO DO PEIXE (Gaston Baquero), por Mariana Machado de Freitas

Eu te amo, cidade,ainda que somente escute o teu rumor longínquo,embora eu seja em teu olvido uma invisível ilha,porque murmuras, tremes e me esquecesEu te amo, cidade. Eu te amo, cidade,nas horas em que a chuva nasce súbita em tua fronteameaçando dissolver teu rosto numeroso,quando até no cristal silente em que residoas estrelas aspergem sua…

Leia mais TESTAMENTO DO PEIXE (Gaston Baquero), por Mariana Machado de Freitas

De ‘POEMAS SOLITARIOS’ e ‘POEMAS MISTICOS’ (Ricardo Guiraldes), por Lucio Carvalho

Fé Eu já me perdi de mim mesmo. Às vezes, tomo as lembranças entre as mãos, com carinho, e busco a infância distante, onde ficaram minha fé e minha força. Eu as vejo ainda lá, detrás de uma intransponível transparência no tempo mostrando com desprezo minha impropriedade de agora e mais admiro a chama tremeluzente…

Leia mais De ‘POEMAS SOLITARIOS’ e ‘POEMAS MISTICOS’ (Ricardo Guiraldes), por Lucio Carvalho

5 poemas de Carlos André Moreira

Profilaxia Esfrego as mãos até a pelePelando, desfazer seus nósE sabe-me a saibro e sabãoA pasta vencida das horasOs olhos nublados da areiavestígios de lágrima e póTateio nos vincos da faceo rosto antigo que não tenho Por mais que tome cuidadoMe corto todas as manhãsNo gume afiado do dia. Amarcord I Na cidade, vivia o…

Leia mais 5 poemas de Carlos André Moreira

3 poemas de Giulia Barão

A pedra Se eu fosse uma pedrapresa a uma parede marítimateria sentido o desejode me soltar e sair correndosem destino, mas contracorrentee também o medode afundar no esquecimentoe também o pesode abandonar um continente. O rio Quisera esfacelar meus ossossem morrere sair pelo mundoarrastando-me, sem pressatoda sangue e biomassaamorosa, pareceque a doçura é líquidae o…

Leia mais 3 poemas de Giulia Barão

De ‘TODO ABISMO É NAVEGÁVEL A BARQUINHOS DE PAPEL’, de Davi Koteck

ato falho há um erro de digitaçãofalha frequente nos cartórios da cidadese alguém me chamar por outro nometalvez aconteça caminhar ao contrário existe algo explodindoda cabeça para dentropequenos impulsos forçamo portão de entrada da festado meu inconsciente 2.quero gritar socorro na língua dos sinaisser poeta apenas longe dos outros poetaseu faria qualquer coisa para mastigar…

Leia mais De ‘TODO ABISMO É NAVEGÁVEL A BARQUINHOS DE PAPEL’, de Davi Koteck

3 poemas de Juliana Meira

ainda somos de osso de carnealguns de alma e como parte num todoa vida continuaparece até funcionar levantamos nossos mortos por sua veznossos mortos apenas elesdescansam já vou quea madrugada me ameaçacom outra manhãcom outra cara e humore gasta esperança Juliana Meira vive em Canela/RS. Publicou, entre outros, água dura (Artes & Ecos, 2019), na…

Leia mais 3 poemas de Juliana Meira

3 poemas de Patrícia Peterle

A caça Animal estranho e entranhantetímido e protervo caminhavai seguindo seu rumo em desaprumoarisco arredio temeráriosuas ações abrem trilhas promovemcontaminações inesperadas. Armadilhas de sentidosartista camaleônico e libertino que em seu obrarse desloca a todo instantepõe-se à escuta de outras vidas vozesque soam uma música longínqua. Intérprete musical? Por que não. Meio masoquistageneroso e curioso, em…

Leia mais 3 poemas de Patrícia Peterle

6 poemas de Ines Lempek

A magia do tempo Tudo alisão lembrançasnossas memóriasmergulhadasuma piscina cheiade horasnão se esvazia Lembra daqueles diasmeus olhosteus olhosnossos olhosjuntos brilhavamno infinito congeladode nossos encontros No Jardin des Planteso corvo de Allan Poee orquídeas selvagensse entrelaçavamdançarinas de veludosobre o gigantescotapete verde e úmidocheiro de cio da manhã Na sala de estardois globosde vidro transparenteságua escorrendocachoeiras vertiamlágrimas…

Leia mais 6 poemas de Ines Lempek

5 poemas de Armando Moura Filho

Animal microscópico sobreviveVinte e quatro mil anos em geleiraDa Rússia;A vida é virtualmente eternaFora do circuito religioso.Isso, confesso, me entusiasma.O texto que segue ficou prejudicadoCom a descoberta –Tenho 77 anos de idade eApenas dois de poesia.Não disponho de muito tempoPara me aprimorar ( essa premissa ruiu ).De qualquer modo, estou presente e ativoNas madrugadas sempre…

Leia mais 5 poemas de Armando Moura Filho

3 poemas de Mário Baggio

Parto Quando você não tiver nada,restará pelo menos a escrita.Foi algo que você prometeu em público,ao vivo:escrever até morrer,morrer se não escrever. Se, por acaso,até escrever for difícil,quando nenhuma ideia lhe ocorrer,nem nova nem velha,abra a garganta e grite.Coloque esse grito no papel.Sei que é só um grito,mas vale mesmo assim.Preferível é gritar a se…

Leia mais 3 poemas de Mário Baggio

5 poemas de Marcelo Martins Silva

Ressaca Quando teus olhos me entram o corpoE atingem o tumulto dos sonhosRepousando as coisas pequenasQue sussurramosNa cama de lençóis amassados,É ali, nesse lugarQue a palavra nasceIluminando a hora primeiraDe todas as manhãs. Valentine’s O amor comeuo olho direito que eu tinha.Não fiquei cego – de amor,só caolho.Hoje vivoamores pela metade,mas canhotos.antes caolho doque mal…

Leia mais 5 poemas de Marcelo Martins Silva

3 poemas de Lucas Barroso

Poema das crianças O bebê de um ano e onze meses morto a pauladas pelo pai,As dez crianças mortas pelo vigia que ateou fogo na creche,O menino assassinado pela polícia dentro casa com setenta e um tiros disparados a esmo,O garoto estrangulado pela mãe,O garoto empalado pelo homem desconhecido,A menina alvejada pela facção rival do…

Leia mais 3 poemas de Lucas Barroso

5 poemas de Adroaldo Bauer

presente sem passadopassado a limpoganhei o presentenão há futuro! 20/12/2009 vai-se só o vazioperda do que se não tinhao vazio se esvaiue se vai nele o que havia. 14/11/2009 lua alagadaintrigado ficarabombardeado, um lado da luaalagado restara 13/11/2009 Devires Grandes momentosvirão reviradosde nós mesmos 20/03/2009 Pedaços do coração 3 Atormentadas circunstânciasIndizíveis deslembrançasInda revoltam as benquerências…

Leia mais 5 poemas de Adroaldo Bauer

De ‘ININTERRUPTOS, CHOREMOS RUAS DENTRO DOS OSSOS’, de Delalves Costa

1. não posso acreditarestar esta poesia de sentençahaverá quem a leiaapenas para elevá-la à forcahaverá quem a leiapor morar em praça públicaonde é o espetáculo mal sabia que parirde útero invertido causassetanta dor que do péde flor só brotasse espinhosatemporal urticáriaa semente extrai nasciment-os germes do tempo haverá quem a leiapara sepultá-la nas falésiashaverá quem…

Leia mais De ‘ININTERRUPTOS, CHOREMOS RUAS DENTRO DOS OSSOS’, de Delalves Costa

‘A TRISTE BALADA DOS HERCULÓIDES CONTRA AS LEIS TERRENAS (UMA POEMÁTICA POP-BARROCA)’, DE ODEMIR TEX JR

Por Emir Rossoni A triste balada dos Herculóides contra as leis terrenas (uma poemática pop-barroca) é um livro de poesia. Mas, para mim, neste 2020, foi bem mais que isso. O livro de Odemir Tex Jr., lançado lá no finalzinho de 2019, foi uma das obras que mais dedilhei, que mais espiei, chafurdei e quase…

Leia mais ‘A TRISTE BALADA DOS HERCULÓIDES CONTRA AS LEIS TERRENAS (UMA POEMÁTICA POP-BARROCA)’, DE ODEMIR TEX JR

‘POESIA COMPLETA DE EMILY DICKINSON’, TRAD. DE ADALBERTO MÜLLER

Por João Antônio Soares Neto No Brasil, a obra de Emily Dickinson (1830-1886) teve suas primeiras traduções em 1928, com Manuel Bandeira. Desde então, diversos tradutores e poetas traduziram esparsamente seus poemas, dentre os quais Cecília Meirelles, Décio Pignatari, Olívia Krähenbühl, Mário Faustino, Paulo Mendes Campos, Ana Cristina Cesar, Aíla de Oliveira Gomes, Isa Mara…

Leia mais ‘POESIA COMPLETA DE EMILY DICKINSON’, TRAD. DE ADALBERTO MÜLLER

5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

CORAGEM Quero ter a coragemDe enfrentar a dúvidaQue nos faz humanosE de conviver com o desconfortoAngustiante da incerteza,De não me refugiar no desesperoQuando a confiança balançar,De continuar toleranteQuando a tolerância acabar,De não arriscar, quandoDesnecessário correr o risco,De não ser arrogante na vitóriaPor mais contundente que ela seja,Quero ser tão altivoQuanto humilde, nas ocasiões certasE na…

Detalhe de Office-at-night-edward-hopper-1940 - Fonte: Wiki Commons

Leia mais 5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

DESARRANJO Canções desafinadasArrebentamOs acordesEsticadosEm pausasIntermináveisDo descasoDissonanteDa tua arrogânciaCantadaEm versoE prosaNo arranjoDescompassadoNota por notaNa semióticaDa tua falsaPartituraTenha DÓE sustenhaA tua FÁ LÁ! AMOR NEGRO AmoA tua peleNegraMistoDe paixãoE magiaCorposEm fusãoAncestralidadeNua e cruaNa bocaQue estremeceNa coxaQue aperta.Meu ébano preciosoContigo ouçoO ressoar dos tamboresO toque cadenciadoDos berimbausA voz profundaDo nosso amorNegro carnal. GARGANTA Na gargantaUm grito mudoPaciência mulher…Cansei…

Leia mais DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

O bilhete Sim, fui embora.Mas te deixei meu adeus. Abre a gaveta da cômoda,Lá tem um bilhete meu. Com a letra um tanto tremida,Mas tudo bem explicado. Sem muitos rodeios está escrito:Me enchi dos nossos vazios. Assombros Ando pela casaÉ noiteNão durmoApenas recordoObservoOs quadros pelas paredesDetalhes singelosDa morada do EuPercebo e sintoCada cantoCada quadroAté mesmo…

Leia mais 3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

5 POEMAS DE EDUARD TRASTE

UMA VERDADE tudo em mim soa assimdesagradável, simmas vou mentirpra mim? seguir assim, eupor mim desejo que meu fimseja assim, nesta linha verdadeiraeu por mim e minha vida,inteira. POETA AMARELO nasceu estranhoe virou piadamas era bom demaispra ser apenas piadano fim das contasvirou poemae morreu estranho sem rima,sem nada A VERDADEIRA TRAGÉDIA e o mundo…

Leia mais 5 POEMAS DE EDUARD TRASTE