Categoria: POESIA

5 poemas de Mar Becker

Num fio I não importa o que eu diga das tuas mãos só posso amá-las como amopelo que não sei dizer amo tuas mãos ali onde elas calam no silêncio que guardam, intacto como o nomede um pássaro não catalogado II da tua boca não importa o que eu diga amo-a porque me escapa a…

Leia mais 5 poemas de Mar Becker

TESTAMENTO DO PEIXE (Gaston Baquero), por Mariana Machado de Freitas

Eu te amo, cidade,ainda que somente escute o teu rumor longínquo,embora eu seja em teu olvido uma invisível ilha,porque murmuras, tremes e me esquecesEu te amo, cidade. Eu te amo, cidade,nas horas em que a chuva nasce súbita em tua fronteameaçando dissolver teu rosto numeroso,quando até no cristal silente em que residoas estrelas aspergem sua…

Leia mais TESTAMENTO DO PEIXE (Gaston Baquero), por Mariana Machado de Freitas

De ‘POEMAS SOLITARIOS’ e ‘POEMAS MISTICOS’ (Ricardo Guiraldes), por Lucio Carvalho

Fé Eu já me perdi de mim mesmo. Às vezes, tomo as lembranças entre as mãos, com carinho, e busco a infância distante, onde ficaram minha fé e minha força. Eu as vejo ainda lá, detrás de uma intransponível transparência no tempo mostrando com desprezo minha impropriedade de agora e mais admiro a chama tremeluzente…

Leia mais De ‘POEMAS SOLITARIOS’ e ‘POEMAS MISTICOS’ (Ricardo Guiraldes), por Lucio Carvalho

5 poemas de Carlos André Moreira

Profilaxia Esfrego as mãos até a pelePelando, desfazer seus nósE sabe-me a saibro e sabãoA pasta vencida das horasOs olhos nublados da areiavestígios de lágrima e póTateio nos vincos da faceo rosto antigo que não tenho Por mais que tome cuidadoMe corto todas as manhãsNo gume afiado do dia. Amarcord I Na cidade, vivia o…

Leia mais 5 poemas de Carlos André Moreira

3 poemas de Giulia Barão

A pedra Se eu fosse uma pedrapresa a uma parede marítimateria sentido o desejode me soltar e sair correndosem destino, mas contracorrentee também o medode afundar no esquecimentoe também o pesode abandonar um continente. O rio Quisera esfacelar meus ossossem morrere sair pelo mundoarrastando-me, sem pressatoda sangue e biomassaamorosa, pareceque a doçura é líquidae o…

Leia mais 3 poemas de Giulia Barão

De ‘TODO ABISMO É NAVEGÁVEL A BARQUINHOS DE PAPEL’, de Davi Koteck

ato falho há um erro de digitaçãofalha frequente nos cartórios da cidadese alguém me chamar por outro nometalvez aconteça caminhar ao contrário existe algo explodindoda cabeça para dentropequenos impulsos forçamo portão de entrada da festado meu inconsciente 2.quero gritar socorro na língua dos sinaisser poeta apenas longe dos outros poetaseu faria qualquer coisa para mastigar…

Leia mais De ‘TODO ABISMO É NAVEGÁVEL A BARQUINHOS DE PAPEL’, de Davi Koteck

3 poemas de Juliana Meira

ainda somos de osso de carnealguns de alma e como parte num todoa vida continuaparece até funcionar levantamos nossos mortos por sua veznossos mortos apenas elesdescansam já vou quea madrugada me ameaçacom outra manhãcom outra cara e humore gasta esperança Juliana Meira vive em Canela/RS. Publicou, entre outros, água dura (Artes & Ecos, 2019), na…

Leia mais 3 poemas de Juliana Meira

3 poemas de Patrícia Peterle

A caça Animal estranho e entranhantetímido e protervo caminhavai seguindo seu rumo em desaprumoarisco arredio temeráriosuas ações abrem trilhas promovemcontaminações inesperadas. Armadilhas de sentidosartista camaleônico e libertino que em seu obrarse desloca a todo instantepõe-se à escuta de outras vidas vozesque soam uma música longínqua. Intérprete musical? Por que não. Meio masoquistageneroso e curioso, em…

Leia mais 3 poemas de Patrícia Peterle

6 poemas de Ines Lempek

A magia do tempo Tudo alisão lembrançasnossas memóriasmergulhadasuma piscina cheiade horasnão se esvazia Lembra daqueles diasmeus olhosteus olhosnossos olhosjuntos brilhavamno infinito congeladode nossos encontros No Jardin des Planteso corvo de Allan Poee orquídeas selvagensse entrelaçavamdançarinas de veludosobre o gigantescotapete verde e úmidocheiro de cio da manhã Na sala de estardois globosde vidro transparenteságua escorrendocachoeiras vertiamlágrimas…

Leia mais 6 poemas de Ines Lempek

5 poemas de Armando Moura Filho

Animal microscópico sobreviveVinte e quatro mil anos em geleiraDa Rússia;A vida é virtualmente eternaFora do circuito religioso.Isso, confesso, me entusiasma.O texto que segue ficou prejudicadoCom a descoberta –Tenho 77 anos de idade eApenas dois de poesia.Não disponho de muito tempoPara me aprimorar ( essa premissa ruiu ).De qualquer modo, estou presente e ativoNas madrugadas sempre…

Leia mais 5 poemas de Armando Moura Filho

3 poemas de Mário Baggio

Parto Quando você não tiver nada,restará pelo menos a escrita.Foi algo que você prometeu em público,ao vivo:escrever até morrer,morrer se não escrever. Se, por acaso,até escrever for difícil,quando nenhuma ideia lhe ocorrer,nem nova nem velha,abra a garganta e grite.Coloque esse grito no papel.Sei que é só um grito,mas vale mesmo assim.Preferível é gritar a se…

Leia mais 3 poemas de Mário Baggio

5 poemas de Marcelo Martins Silva

Ressaca Quando teus olhos me entram o corpoE atingem o tumulto dos sonhosRepousando as coisas pequenasQue sussurramosNa cama de lençóis amassados,É ali, nesse lugarQue a palavra nasceIluminando a hora primeiraDe todas as manhãs. Valentine’s O amor comeuo olho direito que eu tinha.Não fiquei cego – de amor,só caolho.Hoje vivoamores pela metade,mas canhotos.antes caolho doque mal…

Leia mais 5 poemas de Marcelo Martins Silva

3 poemas de Lucas Barroso

Poema das crianças O bebê de um ano e onze meses morto a pauladas pelo pai,As dez crianças mortas pelo vigia que ateou fogo na creche,O menino assassinado pela polícia dentro casa com setenta e um tiros disparados a esmo,O garoto estrangulado pela mãe,O garoto empalado pelo homem desconhecido,A menina alvejada pela facção rival do…

Leia mais 3 poemas de Lucas Barroso

5 poemas de Adroaldo Bauer

presente sem passadopassado a limpoganhei o presentenão há futuro! 20/12/2009 vai-se só o vazioperda do que se não tinhao vazio se esvaiue se vai nele o que havia. 14/11/2009 lua alagadaintrigado ficarabombardeado, um lado da luaalagado restara 13/11/2009 Devires Grandes momentosvirão reviradosde nós mesmos 20/03/2009 Pedaços do coração 3 Atormentadas circunstânciasIndizíveis deslembrançasInda revoltam as benquerências…

Leia mais 5 poemas de Adroaldo Bauer

De ‘ININTERRUPTOS, CHOREMOS RUAS DENTRO DOS OSSOS’, de Delalves Costa

1. não posso acreditarestar esta poesia de sentençahaverá quem a leiaapenas para elevá-la à forcahaverá quem a leiapor morar em praça públicaonde é o espetáculo mal sabia que parirde útero invertido causassetanta dor que do péde flor só brotasse espinhosatemporal urticáriaa semente extrai nasciment-os germes do tempo haverá quem a leiapara sepultá-la nas falésiashaverá quem…

Leia mais De ‘ININTERRUPTOS, CHOREMOS RUAS DENTRO DOS OSSOS’, de Delalves Costa

‘A TRISTE BALADA DOS HERCULÓIDES CONTRA AS LEIS TERRENAS (UMA POEMÁTICA POP-BARROCA)’, DE ODEMIR TEX JR

Por Emir Rossoni A triste balada dos Herculóides contra as leis terrenas (uma poemática pop-barroca) é um livro de poesia. Mas, para mim, neste 2020, foi bem mais que isso. O livro de Odemir Tex Jr., lançado lá no finalzinho de 2019, foi uma das obras que mais dedilhei, que mais espiei, chafurdei e quase…

Leia mais ‘A TRISTE BALADA DOS HERCULÓIDES CONTRA AS LEIS TERRENAS (UMA POEMÁTICA POP-BARROCA)’, DE ODEMIR TEX JR

‘POESIA COMPLETA DE EMILY DICKINSON’, TRAD. DE ADALBERTO MÜLLER

Por João Antônio Soares Neto No Brasil, a obra de Emily Dickinson (1830-1886) teve suas primeiras traduções em 1928, com Manuel Bandeira. Desde então, diversos tradutores e poetas traduziram esparsamente seus poemas, dentre os quais Cecília Meirelles, Décio Pignatari, Olívia Krähenbühl, Mário Faustino, Paulo Mendes Campos, Ana Cristina Cesar, Aíla de Oliveira Gomes, Isa Mara…

Leia mais ‘POESIA COMPLETA DE EMILY DICKINSON’, TRAD. DE ADALBERTO MÜLLER

5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

CORAGEM Quero ter a coragemDe enfrentar a dúvidaQue nos faz humanosE de conviver com o desconfortoAngustiante da incerteza,De não me refugiar no desesperoQuando a confiança balançar,De continuar toleranteQuando a tolerância acabar,De não arriscar, quandoDesnecessário correr o risco,De não ser arrogante na vitóriaPor mais contundente que ela seja,Quero ser tão altivoQuanto humilde, nas ocasiões certasE na…

Detalhe de Office-at-night-edward-hopper-1940 - Fonte: Wiki Commons

Leia mais 5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

DESARRANJO Canções desafinadasArrebentamOs acordesEsticadosEm pausasIntermináveisDo descasoDissonanteDa tua arrogânciaCantadaEm versoE prosaNo arranjoDescompassadoNota por notaNa semióticaDa tua falsaPartituraTenha DÓE sustenhaA tua FÁ LÁ! AMOR NEGRO AmoA tua peleNegraMistoDe paixãoE magiaCorposEm fusãoAncestralidadeNua e cruaNa bocaQue estremeceNa coxaQue aperta.Meu ébano preciosoContigo ouçoO ressoar dos tamboresO toque cadenciadoDos berimbausA voz profundaDo nosso amorNegro carnal. GARGANTA Na gargantaUm grito mudoPaciência mulher…Cansei…

Leia mais DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

O bilhete Sim, fui embora.Mas te deixei meu adeus. Abre a gaveta da cômoda,Lá tem um bilhete meu. Com a letra um tanto tremida,Mas tudo bem explicado. Sem muitos rodeios está escrito:Me enchi dos nossos vazios. Assombros Ando pela casaÉ noiteNão durmoApenas recordoObservoOs quadros pelas paredesDetalhes singelosDa morada do EuPercebo e sintoCada cantoCada quadroAté mesmo…

Leia mais 3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

5 POEMAS DE EDUARD TRASTE

UMA VERDADE tudo em mim soa assimdesagradável, simmas vou mentirpra mim? seguir assim, eupor mim desejo que meu fimseja assim, nesta linha verdadeiraeu por mim e minha vida,inteira. POETA AMARELO nasceu estranhoe virou piadamas era bom demaispra ser apenas piadano fim das contasvirou poemae morreu estranho sem rima,sem nada A VERDADEIRA TRAGÉDIA e o mundo…

Leia mais 5 POEMAS DE EDUARD TRASTE

5 POEMAS DE RAMON CARLOS

Anestésico Depois de descobrirQue os mosquitos têm dentesTodas as noites,Quando esses bastardos decidem aparecerEu tenho uma certeza, meu bemDe tanto sugarem vocêAgora eles precisam de mimDo meu sangue alcoólicoPara aliviarem suas doresE é só por issoQue não os matoApenas mastigoUm que outroPara velarSeu sabor Magnitude Sangue talassêmicoOs cabelos brancos de VirgíniaEnquanto estende as roupas, cantarolandoFeito…

Leia mais 5 POEMAS DE RAMON CARLOS

3 POEMAS DE MARIA OTTILIA RODRIGUES

ANA DO MEU SONHAR Ana, dos meus cândidos sonhosDos meus dilúvios internosDeixaste meu corpo, outrora nuEm cima de uma cama sem cobertaSem esmola, sem respostas Ana, nas pedras te eternizeiNo calor de um inverno quente te fizNos cabelos compridos me enroleiE nas mãos dadas me senti mulherDaquelas que ama e não tem medoÓ, Ana… Agora…

Leia mais 3 POEMAS DE MARIA OTTILIA RODRIGUES

HISTÓRIAS NA JANELA – CHRISTINA CIDADE DIAS, LENICE GOMES, MARÔ BARBIERI E MILENE BARAZZETTI

As palavras, desde os primeiros tempos da humanidade, sempre foram instrumento de encontro: entre povos, entre tempos, entre ideias. Guardar palavras na fala, rimar para memorizar, escrever na pedra para não esquecer. Guardar para libertar. Talvez essa seja a motivação de toda a escritora. Vivemos a fantasia de escrever para eternizar, para promover encontros a…

Leia mais HISTÓRIAS NA JANELA – CHRISTINA CIDADE DIAS, LENICE GOMES, MARÔ BARBIERI E MILENE BARAZZETTI

5 POEMAS DE GRAZIELA JACQUES PRESTES

Planeio Esquecer-se no ninhoDá frio na espinhaSeguemAs formigas da terraAs gaivotas do céu Visão turva também faz curvaVoa, meu irmão Beijo nuvem Há um beijo molhado ao redormanso, doce, suaveHá um beijo molhado ao redorpaira, olha, tocaeu, você, todo lugar Amor eterno O sonho desta noite te trouxe de voltaquentinho, bem pertinho de mimolhar sorriso…

Leia mais 5 POEMAS DE GRAZIELA JACQUES PRESTES

DE ‘DENTE-DE-LEÃO’, DE WANESSA MONTEIRO DE BARROS

6 passo lenta no centro dos vendavaismeus sonhos moram dentrodas ventas dos cavalos com o fogo dos dragões abro picadasafago cães no vazio, rego flores miudinhasjunto andorinhas ao conselho daninhodas congregações entro no país das fadaslá onde a lambida da salamandraé prenda, amora derretidacanto rupestreespinheira santana luz bruxuleantedas esquecidaslamparinas da mata enquanto seu lobo não…

Leia mais DE ‘DENTE-DE-LEÃO’, DE WANESSA MONTEIRO DE BARROS

DE ‘SUBIR AO MURAL’, DE RONALD AUGUSTO

octassílabos erra em ondas meu pensamentopelos ângulos do lugaras paredes brancas de nadaum corte transversal, solar as cortinas se mantêm feiasesse plissado industrialessa cor, de ordinário, pálidadão a tudo um quê de oficial o rumor ar condicionadopiso de hospício sem ranhurasou de laboratório clínicoquadrículo infenso à cultura no entanto aqui a estudantadafaz o exame vestibularcumprindo…

Leia mais DE ‘SUBIR AO MURAL’, DE RONALD AUGUSTO

DE ‘A ARTE DO MEDO’, DE DILAN CAMARGO

A ARTE DO MEDO Essa artelimita a vidamatéria disformedo desassossegoo medoaprisiona o egoem vigíliadesacende a realidadeessa vil paisagemdo dia a dia. Essa artefaz o vooda borboletaquase vãobelo feiomorrer nas sobrasde asas coloridasao rés do chão. Arte relesmedo de lesmado salesbugalha os olhosno sinalarrepia a peleacendesó o vermelho. Essa artedespoja o desejodesilude olharvaza sentimentotanto fazestar vivo…

Leia mais DE ‘A ARTE DO MEDO’, DE DILAN CAMARGO

4 POEMAS INÉDITOS DE MICHELE C. BUSS

PLUVIÔMETRO A estação é das plantas da chuva… Crescem ervas ombrófilas nos meus olhose uma flor tropical violáceanos átrios do coraçãoencharcados de pulso. Nos céus além da pele:tempo bom. Nos silêncios interiores:o medidor de chuva descontroladoem pleno estado de tormenta epouco sol. Da instabilidade das pálpebrase da glândula lacrimal(100% de umidade no ar)floresce intensa a…

Leia mais 4 POEMAS INÉDITOS DE MICHELE C. BUSS

4 POEMAS INÉDITOS DE GABRIELA SILVA

Celebração primordial Na hora mais escura da noiteQuando não há mais medoNem esperança pela luzTomei teu corpo Como se cada partícula da tua peleMe pertencessee teu ritmo cardíacoocupasse o som de todas as coisas e ficamos assim, a aproveitar a festado espírito e da carnemateriais dispersos e complementaresque nos constróem mantenho-me acordadapara contemplar teu corpoonde…

Leia mais 4 POEMAS INÉDITOS DE GABRIELA SILVA

UMA ODE À HUMANIDADE (SÓFOCLES) – TRAD. POR RAFAEL BRUNHARA

(Sófocles, Antígone, versos 332-375) Muitos prodígios e terrores há;nenhum maior que o ser humano.Ele atravessa o mar cinzentojunto dos ventos invernais,ele vaga e vence rugentesondas que o cercam e exaurea mais suprema deusa,a Terra imortal e incansável,ano a ano lavrando-a vaicom o arado e seu cavalo. A raça de aves lépidasO rebanho de ferasas criaturas…

Leia mais UMA ODE À HUMANIDADE (SÓFOCLES) – TRAD. POR RAFAEL BRUNHARA

DE ‘MIDIASERÁVEL’, DE DELALVES COSTA

Made in Brazil O catador pão-dormido então acordouenvolto ao frio e ventosob notícias do jornal.O café matinal é farto:folhados, quinhentos-queijos caféexpresso londrino pãesleite suíço (vacas azuis)e sucos do laranjal tipo export.Made in Brazil, a fome à fartamesa tupiniquim: suorde sol a sol bordado com petróleoe estampa canavieira.Enquanto isso, brasil(de ruas viadutos calçadas)vaga à revelia empurrandorecicru…

Leia mais DE ‘MIDIASERÁVEL’, DE DELALVES COSTA

DE ‘CONSUBSTANTDJETIVOS COMUNS’, DE ADRIAN’DOS DELIMA

ATO DO RECOMEÇO O vento vuneNa minha orelhaSe levanta o cabeloE quanto àquiloQue eu pensava tão longeCaio em meu corpoMas mergulharMinha botaNo brilho do asfaltoRecompõe a noiteTudo aquilo que penseiCai com a chuvaBranca de luzesTudo aquiloSe recompõeEm mais um passoOutro NO COLIBRI LANCHES, CERTA TARDE, RECENTEMENTE DESEMPREGADO Me sinto bem no balcãoBem à vontade nos…

Leia mais DE ‘CONSUBSTANTDJETIVOS COMUNS’, DE ADRIAN’DOS DELIMA

DE ‘FLOR DE UDUMBARA’, DE SANDRA SANTOS

A Arte de Cultivar Girassóis Van Gogh colhe agoraquinze girassóis em Arlesporque um xamã das Américastem febre e flores na cabeçauma flor se levanta às 6:15 da manhã para comporum arranjoquinze capítulos degirassóis amarelosonde contemplo a luzdos teus olhos Girasol t’ikakuna tarpuyta yachaq Van Gogh phesqa chunka girasol t’ikakunataojarin qhunan Arles llaqtapiimanaqtinchus huj hampiqpa umant’ikakunawan…

Leia mais DE ‘FLOR DE UDUMBARA’, DE SANDRA SANTOS

4 POEMAS INÉDITOS DE MARCO DE MENEZES

introdução à contabilidade I quantos rostos esquecemosna parca destinação de comparsasque a existência provê aos visitantes de pai e mãe e irmãose parentes mais próximosposto que se transladamde um a outrocomo um projetor de slides enguiçadoos rostos escondemainda que familiaresum certo brilho esquisitoou uma opacidade de cera negligentesobre a tábua antiga do Seu Aquiles, o…

Sombras de um gradil

Leia mais 4 POEMAS INÉDITOS DE MARCO DE MENEZES

DE ‘SPOILERS’, DE DIEGO GRANDO

PREÂMBULO PARA UM POEMA TARDIO Ir para o inferno toma tempoà cata do incidente emaranhadotoma tempo e trinta e tantastentativas, primeiras palavraspedidos de desculpa e demissão:ricocheteios de cascalhona superfície da memória. Não basta boa vontadepara chegar ao infernoé preciso o reflexo condicionadode não estar pensando e de repenteestar: voltar a si, se descobrirantes da próxima…

Leia mais DE ‘SPOILERS’, DE DIEGO GRANDO

A CARNE DO HOMEM (UM ENSAIO E TRÊS POEMAS CARNÍVOROS) – MARCUS FABIANO GONÇALVES

No gado é que dormimose nele que acordamos.Drummond, Boitempo As pessoas modernas em quase nada diferem daquele bípede implume cuja espécie autonomizou-se geneticamente há cerca de 300 mil anos nas pradarias africanas, já considerada aí a datação das recentes descobertas de fósseis de Homo sapiens no sítio de Jebel Irhoud, no Marrocos, que recuaram em mais de 100.000…

Um homem palestra diante a um pedaço de carne

Leia mais A CARNE DO HOMEM (UM ENSAIO E TRÊS POEMAS CARNÍVOROS) – MARCUS FABIANO GONÇALVES

5 POEMAS INÉDITOS DE ANDRÉ MARTINS

in memoriam sufocado sob violetasele morreu silenciosamentenão saiu no jornalnão houve consternação seu nome era outonoda tribo dos equinóciostinha os mais belos diasa luz preferida por monetboa temperatura para o tinto morreu como veio ao mundoentristecidosob a copa das árvoresdeixa folhas obsoletras assim como outras máquinas e pessoasa máquina de escrever tornou-se inútilpeça de um…

Lettera 32 - teclado de máquina de escrever

Leia mais 5 POEMAS INÉDITOS DE ANDRÉ MARTINS