JOAQUIM – CATIA SCHMAEDECKE

Quando eu estava prestes a abrir a porta, um arrepio percorreu minha espinha. Senti um par de olhos em voos rasantes desde a lombar até a cervical. A proximidade de minha mulher era a certeza de não haver espaço para a desistência. O mais tênue sinal de indecisão de minha parte sepultaria a minha carreira e perpetuaria o meu fracasso.

Tínhamos recebido uma advertência de alguns amigos quanto à notícia sobre a aquisição do lugar ser um péssimo negócio, mesmo assim eu fechara os ouvidos e aceitara o desafio. A facilidade em gerir o futuro da família, o dom herdado de meu pai que, por sua vez, aprendera com meu avô, um rico comerciante de uma rede de confeitarias, servira de mola propulsora na hora de bater o martelo.

Sorri para as crianças, me encostei de leve no batente e a porta se abriu. De imediato a atmosfera interior derramou sobre nós toda a sua quietude obrigando Helena a esfregar os braços. Fiz para eles a tradicional mesura, o gesto de meus ancestrais.

Enquanto os pequenos exploravam o ambiente, nós começamos a limpeza. Encontrei uma antiga moeda a um canto do corredor. Olhei-a com atenção. De um lado um brasão imperial, do outro o número duzentos e a palavra réis. Tirei a poeira de sua superfície, e detive-me um pouco mais no ano mil oitocentos e oitenta e sete exibido com precisão. Aquela era uma peça de colecionador. Eu não sabia nada sobre os antigos moradores, o que me fez no mesmo instante adotá-la como amuleto.

Trouxemos pouca coisa na mudança, conseguimos nos instalar em tempo recorde. As crianças não escondiam o entusiasmo correndo de um lado ao outro e Helena parecia ter remoçado uns seis meses, talvez um ano. Nunca fui muito bom em acertar a idade das mulheres. Ela estava feliz, e isso bastava.

Só percebi a noite lá fora quando Nati começou a choramingar se queixando de fome. Eu não encontraria nada aberto àquela hora, o jeito seria apelar para os vizinhos. Falei para todos se acalmarem e saí em busca de algo para comermos. Afastei-me uns poucos metros, e o bafo quente soprado acima da minha cabeça foi o bastante para eu me arrepender de ter saído. Levantei os olhos bem devagar e então corri. Corri o mais rápido que pude. Corri tanto, mas tanto, que agora não sinto as pernas. Estou dentro de uma fenda de concreto há mais de uma hora, o vão afunilado para o alto me impede de subir. O único lugar por onde posso sair é o mesmo por onde entrei. Através dele uma pata peluda com garras pontiagudas teima em tentar me alcançar.

De repente ouço um tilintar do lado de fora e em seguida a passagem é desobstruída. Espio, me escondo, espio outra vez. No pátio, Helena jogou o amuleto para o lado oposto. Impetuosa ela guincha alto. O sobrenome de seu pai reverbera através da madrugada.

É agora ou nunca.

Catia Garcia Schmaedecke, natural de Passo Fundo RS, é autora do romance “A Casa da Grande Colina”. Em 2018 concluiu o Curso Livre de Formação de Escritores da Metamorfose. Participou de coletâneas de contos. Em 2019 recebeu o 1º lugar na categoria Contos do Prêmio Nacional de Literatura dos Clubes. Há mais de trinta anos reside em Porto Alegre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s