3 poemas de Ines Lempek

Refluxo das horas

Havia um fogo
morno
uma sombra
oculta
atrás das horas
idas

Um raio indiscreto
fulminando silêncios
diminuía
o hiato

No esconderijo
a céu aberto
palavras aqueciam
a pele

Segredos revelados
a céu noturno
na areia movediça
uma estrada

Olhos entreabertos
a maré semeia
corpos renovados
no refluxo das horas
idas
e vindas.

Estiagem

Entrego esse sorriso
dobrado e guardado
na caixa de fantasias
que o musgo do inverno
esqueceu de cobrir

a chuva metálica
acordou o silêncio
recortou nuvens
abrindo as cortinas
da longa estiagem

agora
podemos tirar
as dúvidas
amarrotadas
na mochila
do esquecimento.

Enquanto era noite

Enquanto era noite
ficávamos à deriva
tentando tatear
os sonhos —

pescar esperanças
na evanescência
dos tempos

havia ainda
mais densa
a outra escuridão

sobreposta
a assombrar horizontes

Deixávamos a janela
escancarada
as mãos unidas —
assim, seguimos.

Ines Lempek é natural de Porto Alegre, morou em São Paulo e Brasilia. Estudou Psicologia na UFRGS, e especialização em Psicanálise e Cultura na UnB. Participou de oficinas de escrita criativa, publicou em antologias, revistas literárias e blogs, com poemas, haicais e historias curtas. Lançou em 2019 o 1° livro solo de poemas O Avesso do Clima, pela Editora Bestiario.

POESIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: