DE ‘DEUS NÃO PROTEGE OS CERTINHOS’ & OUTROS MINICONTOS IMPUROS’, DE JOSÉ EDUARDO DEGRAZIA

Sem pureza, mas sob protestodo prefácio de Deus não protege os certinhos& outros minicontos impuros.Por Laís Chaffe. A depender de quem lê, o título deste livro pode ser interpretado como advertência ou ímã. Como propaganda enganosa, jamais. Hoje em dia, todos andam com 38, conclui um dos narradores de José Eduardo Degrazia, e o leitor…

Leia mais DE ‘DEUS NÃO PROTEGE OS CERTINHOS’ & OUTROS MINICONTOS IMPUROS’, DE JOSÉ EDUARDO DEGRAZIA

REVISTA DO GLOBO EM BUSCA DE DEFINIÇÃO QUANTO AOS GÊNEROS JORNALÍSTICOS – ANTONIO HOHLFELDT

Genericamente, a revista é uma publicação periódica, entre o semanal e o mensal, que trata de interesses gerais ou relacionada a uma determinada atividade ou segmento etário ou de gênero. Tem, em geral, a forma de brochura, isto é, sem capa dura, em formato menor que o do jornal, mesmo no caso dos chamados tablóides,…

Leia mais REVISTA DO GLOBO EM BUSCA DE DEFINIÇÃO QUANTO AOS GÊNEROS JORNALÍSTICOS – ANTONIO HOHLFELDT

A PARCA – SIMONE SAUERESSIG

A velha tapeceira parou junto à janela, no dia em que Wuhan apareceu nos noticiários. Ela não sabia aonde ficava Wuhan, como a maioria das pessoas que não viviam na China, mas franziu os olhos para o velho relógio de parede que tiquetaqueava, como se ele tivesse algo a ver com isso. Aos poucos, a…

Leia mais A PARCA – SIMONE SAUERESSIG

DUAS CRÔNICAS DE FERNANDO CHEMALE

ME PRENDAM!EU ROUBEI DE UMA CRIANÇA! Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito, Vossa Excelência Promotor Público e Prezados Jurados, aviso que abro mão dos préstimos de um advogado, uma vez que farei minha própria defesa. Vossa Excelência, os filhotes do “Homo Sapiens Sapiens” são muito queridos, engraçados, inteligentes, espontâneos e hipnotizantemente fofos, mas sinto dizer…

Leia mais DUAS CRÔNICAS DE FERNANDO CHEMALE

O SOM DO SUL, DE HENRIQUE MANN

O Som do Sul, trabalho enciclopédico do compositor, produtor e escritor Henrique Mann, está desde julho deste ano inteiramente disponível para consulta na internet. Dividido em 30 fascículos que contam a historia da música produzida no Rio Grande do Sul e reúnem o trabalho de jornalistas e pesquisadores que colaboraram com a edição dos volumes,…

Leia mais O SOM DO SUL, DE HENRIQUE MANN

AVENTURAS PELA LEITURA E ESCRITA: TRABALHO, LEMBRANÇAS, FILMES INESQUECÍVEIS – VERA IONE MOLINA

O que você está lendo? A maioria das pessoas que se aproximam de mim para conversar perguntam o que eu estou lendo.  Para falar a verdade, estou sempre lendo, até sobre assuntos que não me interessam. Trabalho com revisão, tradução e por esse motivo leio o que os outros encomendam. Isso, ao longo dos anos,…

Leia mais AVENTURAS PELA LEITURA E ESCRITA: TRABALHO, LEMBRANÇAS, FILMES INESQUECÍVEIS – VERA IONE MOLINA

3 MINICONTOS DE CLAUDIO B. CARLOS

O CHEIRO DOS CUSCOS NAS BOMBACHAS Enquanto todos brincavam de campinhos, e de ser Batista, Zico, Sócrates, Cerezo, De León ou Falcão, eu preferia ficar com a cuscada. Eu queria ser ninguém. Me perder entre os guaipecas vadios e pronto. E só. Eu abraçava os cuscos e sentia o coraçãozinho lá deles batendo junto ao…

Leia mais 3 MINICONTOS DE CLAUDIO B. CARLOS

A ADAPTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA DE ‘O SOBRADO’ – MATEUS DA ROSA PEREIRA

Como realizar uma adaptação cinematográfica competente do ponto de vista estético, com uma boa dose de originalidade e um diálogo profundo com sua obra de origem, sem receber acusações de que se trata de um filme com valor artístico menor, como se fosse um subproduto ou cópia da literatura? Geralmente, os filmes que tentam seguir…

Leia mais A ADAPTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA DE ‘O SOBRADO’ – MATEUS DA ROSA PEREIRA

5 CRÔNICAS DE TIAGO MARIA

O dia que Deus falou comigo Gostaria, mesmo, caros leitores, de ser pintor, e bom pintor, para colocar sob seus olhos, com fidelidade, o encantamento que aquela aparição causou em todos os Santos do Apolinário… Mas antes deixa contar aqui como Ele me salvou da morte. Dormíamos, minha senhora e eu, como fazemos há mais…

Leia mais 5 CRÔNICAS DE TIAGO MARIA

JOAQUIM – CATIA SCHMAEDECKE

Quando eu estava prestes a abrir a porta, um arrepio percorreu minha espinha. Senti um par de olhos em voos rasantes desde a lombar até a cervical. A proximidade de minha mulher era a certeza de não haver espaço para a desistência. O mais tênue sinal de indecisão de minha parte sepultaria a minha carreira…

Leia mais JOAQUIM – CATIA SCHMAEDECKE

ORIGEM DOS NOMES DOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS E SEUS DISTRITOS – JACY WALDYR FISCHER

Nomes estranhos de lugares despertam a curiosidade de muitas pes­soas. Qual teria sido a sua origem? O que significam? Se fizermos es­sas perguntas para um morador da localidade, geralmente, poucos terão uma resposta. Os “eruditos” locais muitas vezes virão com uma interpre­tação fantasiosa. O pior é que esssas interpretações são passadas adiante e acabam sendo…

Leia mais ORIGEM DOS NOMES DOS MUNICÍPIOS GAÚCHOS E SEUS DISTRITOS – JACY WALDYR FISCHER

SANTIAGO NAUD (1930-2020) – HOMENAGEM DO INSTITUTO ESTADUAL DO LIVRO (IEL)

O Instituto Estadual do Livro (IEL) e a Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) lamentam o falecimento de um dos fundadores do IEL, o professor e escritor José Santiago Naud, ocorrido ontem (20/07). Nascido em Santiago em 24 de julho de 1930, formado em Letras Clássicas, Naud era autor de dezenas de obras, dedicando-se especialmente…

Leia mais SANTIAGO NAUD (1930-2020) – HOMENAGEM DO INSTITUTO ESTADUAL DO LIVRO (IEL)

DE ‘TIMBIRUPÁ’, DE LUÍS DILL

Reprodução do capítulo 1de Timbirupá, romancede Luís Dill, cujo lançamento foicancelado em função da pandemia. No 13 de outubro de 1930, dia anterior à catástrofe dantesca verificada em Timbirupá, o padre Agostino Guglieri apanhou seu mosquetão Mauser escorado na pia batismal e avançou pelo corredor entre os bancos da igreja. Ouvira o piado do mugum-três-cores…

Capa Timbirupa

Leia mais DE ‘TIMBIRUPÁ’, DE LUÍS DILL

5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

CORAGEM Quero ter a coragemDe enfrentar a dúvidaQue nos faz humanosE de conviver com o desconfortoAngustiante da incerteza,De não me refugiar no desesperoQuando a confiança balançar,De continuar toleranteQuando a tolerância acabar,De não arriscar, quandoDesnecessário correr o risco,De não ser arrogante na vitóriaPor mais contundente que ela seja,Quero ser tão altivoQuanto humilde, nas ocasiões certasE na…

Detalhe de Office-at-night-edward-hopper-1940 - Fonte: Wiki Commons

Leia mais 5 POEMAS DE ARMANDO MOURA FILHO

DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

DESARRANJO Canções desafinadasArrebentamOs acordesEsticadosEm pausasIntermináveisDo descasoDissonanteDa tua arrogânciaCantadaEm versoE prosaNo arranjoDescompassadoNota por notaNa semióticaDa tua falsaPartituraTenha DÓE sustenhaA tua FÁ LÁ! AMOR NEGRO AmoA tua peleNegraMistoDe paixãoE magiaCorposEm fusãoAncestralidadeNua e cruaNa bocaQue estremeceNa coxaQue aperta.Meu ébano preciosoContigo ouçoO ressoar dos tamboresO toque cadenciadoDos berimbausA voz profundaDo nosso amorNegro carnal. GARGANTA Na gargantaUm grito mudoPaciência mulher…Cansei…

Leia mais DE ‘MENINA DE TRANÇAS’, DE LILIAN ROCHA

RUAS DE MAIO – IURI MÜLLER

Saio de casa vestindo a camiseta, pouco depois das duas da tarde. Faz sol e o outono naquela hora abre mão do vento frio. As ruas estão quase vazias, como acontece normalmente aos domingos. Muitos ainda estão nos churrascos neste horário, e dá para sentir o cheiro da carne desde as calçadas. É assim nas…

Leia mais RUAS DE MAIO – IURI MÜLLER

3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

O bilhete Sim, fui embora.Mas te deixei meu adeus. Abre a gaveta da cômoda,Lá tem um bilhete meu. Com a letra um tanto tremida,Mas tudo bem explicado. Sem muitos rodeios está escrito:Me enchi dos nossos vazios. Assombros Ando pela casaÉ noiteNão durmoApenas recordoObservoOs quadros pelas paredesDetalhes singelosDa morada do EuPercebo e sintoCada cantoCada quadroAté mesmo…

Leia mais 3 POEMAS DE LUCIANA ALBRECHT

5 POEMAS DE EDUARD TRASTE

UMA VERDADE tudo em mim soa assimdesagradável, simmas vou mentirpra mim? seguir assim, eupor mim desejo que meu fimseja assim, nesta linha verdadeiraeu por mim e minha vida,inteira. POETA AMARELO nasceu estranhoe virou piadamas era bom demaispra ser apenas piadano fim das contasvirou poemae morreu estranho sem rima,sem nada A VERDADEIRA TRAGÉDIA e o mundo…

Leia mais 5 POEMAS DE EDUARD TRASTE

5 POEMAS DE RAMON CARLOS

Anestésico Depois de descobrirQue os mosquitos têm dentesTodas as noites,Quando esses bastardos decidem aparecerEu tenho uma certeza, meu bemDe tanto sugarem vocêAgora eles precisam de mimDo meu sangue alcoólicoPara aliviarem suas doresE é só por issoQue não os matoApenas mastigoUm que outroPara velarSeu sabor Magnitude Sangue talassêmicoOs cabelos brancos de VirgíniaEnquanto estende as roupas, cantarolandoFeito…

Leia mais 5 POEMAS DE RAMON CARLOS

3 POEMAS DE MARIA OTTILIA RODRIGUES

ANA DO MEU SONHAR Ana, dos meus cândidos sonhosDos meus dilúvios internosDeixaste meu corpo, outrora nuEm cima de uma cama sem cobertaSem esmola, sem respostas Ana, nas pedras te eternizeiNo calor de um inverno quente te fizNos cabelos compridos me enroleiE nas mãos dadas me senti mulherDaquelas que ama e não tem medoÓ, Ana… Agora…

Leia mais 3 POEMAS DE MARIA OTTILIA RODRIGUES

HISTÓRIAS NA JANELA – CHRISTINA CIDADE DIAS, LENICE GOMES, MARÔ BARBIERI E MILENE BARAZZETTI

As palavras, desde os primeiros tempos da humanidade, sempre foram instrumento de encontro: entre povos, entre tempos, entre ideias. Guardar palavras na fala, rimar para memorizar, escrever na pedra para não esquecer. Guardar para libertar. Talvez essa seja a motivação de toda a escritora. Vivemos a fantasia de escrever para eternizar, para promover encontros a…

Leia mais HISTÓRIAS NA JANELA – CHRISTINA CIDADE DIAS, LENICE GOMES, MARÔ BARBIERI E MILENE BARAZZETTI

5 POEMAS DE GRAZIELA JACQUES PRESTES

Planeio Esquecer-se no ninhoDá frio na espinhaSeguemAs formigas da terraAs gaivotas do céu Visão turva também faz curvaVoa, meu irmão Beijo nuvem Há um beijo molhado ao redormanso, doce, suaveHá um beijo molhado ao redorpaira, olha, tocaeu, você, todo lugar Amor eterno O sonho desta noite te trouxe de voltaquentinho, bem pertinho de mimolhar sorriso…

Leia mais 5 POEMAS DE GRAZIELA JACQUES PRESTES